Azul e verde na sala de cirurgia
Avalie este post

Bastante difundida entre os profissionais de medicina, a roupa na cor branca é peça obrigatória em consultórios, ambulatórios, clínicas e hospitais. Entretanto, registros pictográficos anteriores ao advento do branco, por volta do século XIX, revelam que nesses tempos o costume era oposto. Predominavam roupas de cores escuras, fechadas e, surpreendentemente, quanto mais sujas de sangue, mais prestigiado era o médico.

O quadro começou a mudar graças ao médico húngaro Ignaz Semmelweis (1818-1865), que em vida lutou para comprovar que roupas sujas poderiam transmitir doenças e infecções, tanto para pacientes como para os próprios médicos. Foi duramente criticado pelos seus pares e só veio a ter sua teoria confirmada por Pasteur, que provou ser imprescindível manter limpos e esterilizados os ambientes médico-hospitalares.

Desta forma, a cor branca nas vestes médicas tem a função de preservar a limpeza e a higiene, já que nelas é mais fácil identificar a presença de sujeira e eventuais resíduos.

Azul, verde e a palheta de cores

Entretanto, quando notamos médicos e enfermeiros atuando nos centros cirúrgicos, percebemos que seus uniformes já não são brancos, mas azuis ou verdes. A mudança se explica por uma questão cromática e de registro do olho e cérebro humano às cores e seus contrastes, de acordo com a palheta de cores.

Ao fixar a visão num tom avermelhado por muito tempo, quando nos voltamos para uma superfície branca, vemos uma espécie de “fantasma” em tons de azul esverdeado, como se fosse um negativo do que estávamos vendo antes. Por isso, a utilização de roupas nessas cores serve para neutralizar esse “fantasma”, que sumiria num plano de fundo da mesma cor.

Outra finalidade do uso de uniformes azuis e verdes é manter constante o contraste de cores. O cérebro humano tende a uniformizar as cores quando não percebe contraste entre elas. Desta forma, se uma equipe de cirurgia não usasse azul ou verde, correria sério risco de não enxergar as tonalidades de vermelho enquanto estivessem realizando um procedimento cirúrgico.

Clínica de urologia no Rio de Janeiro

Na Vivace, clínica que conta com os mais preparados urologistas no Rio de Janeiro, a saúde do homem é prioridade. Faça-nos uma visita e viva com mais qualidade, afinal, ter saúde não se restringe apenas a não ter doenças!

Ligue para a Vivace! Nosso número é (21) 3199-0400

Dr. Luiz Augusto

Dr. Luiz Augusto W. de Carvalho
Urologista
CRM 52766640

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

2014 © Copyright - Vivace.Todos os direitos Reservados